Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ital.sp.gov.br/jspui/handle/123456789/83
Título: Otimização tecnológica do processamento de grãos de girassol alto oleico para a obtenção de óleo e biodiesel
Autor(es): 
Rabonato, Luana Cristina






Palavras-chave: Helianthus annuus L.
Prensagem a frio
Descasque
Farinha
Ésteres etílicos
Data do documento: 2017
Resumo: A cultura do girassol vem apresentando considerável aumento de área cultivada no Brasil. Seus grãos são utilizados principalmente para obtenção de óleo refinado de baixa estabilidade oxidativa gerando, no processo de extração, farelo como subproduto, com elevado teor de fibras e compostos fenólicos de baixo valor comercial. O farelo gerado neste processo é frequentemente utilizado como componente da ração animal. O objetivo deste estudo foi a otimização do processamento para extração do óleo de girassol utilizando a variedade alto oleica, através do fracionamento dos grãos, para obtenção de coprodutos de alto valor comercial: óleo bruto de alta estabilidade oxidativa sem necessidade de refino; farinha proteica como ingrediente alimentício; biodiesel etílico a partir do óleo residual da torta e cascas para geração de energia. Para isso, foram realizados o descasque total dos grãos utilizando descascador por impacto, e a prensagem a frio das amêndoas utilizando prensa helicoidal contínua para a extração do óleo. Para o descasque dos grãos e sua otimização foi aplicado um delineamento composto central rotacional avaliando o teor de umidade na faixa de 5,4% a 10,4% (b.s.) e a frequência do rotor do descascador no intervalo de 45,9 a 74,1 Hz para determinar a máxima capacidade de descasque dos grãos obtendo mínimo conteúdo de finos, de grãos não descascados, alto rendimento de amêndoas e cascas. O biodiesel foi produzido por reação de transesterificação com etanol apresentando teor de ésteres etílicos de 99,2%. Foram determinados: a composição centesimal dos grãos, amêndoas, torta e farinha; a composição mineral dos grãos, amêndoas, cascas e óleo; e as análises físico-químicas de qualidade do óleo e biodiesel. A condição ótima de descasque foi obtida com frequência de 54,3 Hz e umidade de 7,9% (b.s.) e a máxima capacidade de descasque obtida foi de 87,9% (b.s.). Com a remoção total das cascas, o rendimento de óleo e proteínas nas amêndoas aumentou significativamente, obtendo 58% e 21%, respectivamente; e o teor proteico na farinha foi de 51,6%. O rendimento de óleo pós-prensagem foi de 40%. Nos grãos, amêndoas e cascas predominaram os elementos Ca, S, P, Mg e K. O óleo bruto e biodiesel apresentaram concentrações de metais abaixo dos valores estabelecidos pela legislação. As análises químicas indicaram alta qualidade do óleo bruto e estabilidade oxidativa, não sendo necessário o refino. O processo proposto permitiu a obtenção de produtos de alto valor agregado, como: óleo comestível, farinha e biodiesel.
URI: http://repositorio.ital.sp.gov.br/jspui/handle/123456789/83
Outros identificadores: 
Aparece nas coleções:Teses

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao Luana Rabonato.pdf1.23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.